Artigos e notícias:

Opinião com Benito Pepe

Benito Pepe

12/11/2007 16:14

Ambiente de trabalho e as relações interpessoais.

Por Benito Pepe


1.1. Introdução

O ambiente reflete no ser humano? Bem, podemos, por exemplo, observar um shopping center e a maneira como as pessoas normalmente se comportam quando estão lá dentro, a limpeza, o clima, a decoração, as pessoas bem vestidas ou não, fazem com que ajamos de certa maneira, podemos também ir à praia e veremos como as pessoas estão se comportando, ou em uma igreja, um clube, uma noitada ou o contrário um casamento formal e poderíamos dar tantos outros exemplos. Mas é claro que não seria só o tipo do ambiente que pode influir em nosso comportamento, também deve influenciar a forma em que o ambiente é moldado, decorado, o tipo de roupa permitido, a climatização, o visual, as cores das paredes, flores no ambiente, obras de arte, quadros, conforto em geral, entre tantos outros fatores.

Portanto podemos supor que o ambiente de trabalho também deve influir no comportamento das pessoas e, por conseguinte influenciar nas relações interpessoais e supostamente nos resultados das empresas em todos os sentidos.

Pode-se observar historicamente uma grande evolução no ambiente de trabalho desde a revolução industrial até o final do século XX... e quais serão as perspectivas para o século XXI?

Deve-se lembrar que estamos no século XXI, assim sendo, já não seria hora de questionar alguns paradigmas quanto aos ambientes de trabalho? Muito bem! Sabe-se que muitos já pensaram nisto, porém não há trabalhos significativos neste campo. Ao se pensar nisto decidiu-se elaborar um projeto de pesquisa onde se buscará demonstrar que muitos aspectos e formas no ambiente de trabalho já podem e devem ir modificando-se, o ideal poderia ser o nosso ambiente de trabalho tornar-se a extensão de nossa casa e muitas vezes será a nossa própria casa ou como se assim fosse. E como que o ambiente de trabalho pode influir ou não nos relacionamentos interpessoais?



2.1 Motivação ou Não, Causada pelo Ambiente de Trabalho

É sabido que o ser humano é fruto do meio em que vive e que é gerido por necessidades básicas que os podem motivar ou não, são elas: necessidades fisiológicas como: alimentação, sono, atividades física, satisfação sexual etc; necessidades psicológicas: como segurança íntima, participação, autoconfiança e afeição; necessidades de auto-realização: como impulso para realizar o próprio potencial, estar em contínuo autodesenvolvimento.
Estas necessidades não satisfeitas também são motivadoras de comportamento, podendo levar a: desorganização de comportamento; agressividade; reações emocionais; alienação e apatia.

Segundo Chiavenato (2000)
A motivação se refere ao comportamento que é causado por necessidades dentro do indivíduo e que é dirigido em direção aos objetivos que possam satisfazer essas necessidades.(p.161)

Também segundo Chiavenato (2000)
O homem é considerado um animal dotado de necessidades que se alternam ou se sucedem conjunta ou isoladamente. Satisfeita uma necessidade surge outra em seu lugar e, assim por diante, contínua e infinitamente. As necessidades motivam o comportamento humano dando-lhe direção e conteúdo.(p.128).


Como se pode verificar supõe-se que os relacionamentos interpessoais dependerão das realizações e satisfações das necessidades individuais, mas também se pode verificar que muitas vezes os homens se comportam de forma dualista.

Segundo Chiavenato (2000)
O homem se caracteriza por um padrão dual de comportamento: tanto pode cooperar como pode competir com os outros. Coopera quando os seus objetivos individuais somente podem ser alcançados através do esforço comum coletivo. Compete quando seus objetivos são disputados e pretendidos por outros.(p.128)


2.2 Influência do Ambiente

Não se pode exigir resultados de uma equipe se esta não tiver um mínimo de comodidade e de condições para realizar suas necessidades básicas. Mas se acredita que quanto melhor e mais bem atendidas estas necessidades tanto melhor será o desempenho de uma equipe.

O ambiente de trabalho é constituído de duas partes distintas: a física (instalações, móveis, decoração etc) e a social (as pessoas que o habitam).

Segundo Magalhães (1990)
...influem no conforto social. Evidentemente, se tais elementos forem precários, ninguém trabalhará com moral elevado. Conforme a natureza do trabalho, exigir-se-á uma luminosidade, uma temperatura, um grau de umidade diferente, o que também deverá estar de acordo com a região onde se trabalha e a época do ano. (p. 51)

2.3 Relações Interpessoais e Qualidade de Vida no Trabalho

Como se viu as pessoas são produtos do meio em que vivem, tem emoções, sentimentos e agem de acordo com o conjunto que as cercam sejam o espaço físico ou social.

Como diz Bom Sucesso (1997)
A valorização do ser humano, a preocupação com sentimentos e emoções, e com a qualidade de vida são fatores que fazem a diferença. O trabalho é a forma como o homem, por um lado, interage e transforma o meio ambiente, assegurando a sobrevivência, e, por outro, estabelece relações interpessoais, que teoricamente serviriam para reforçar a sua identidade e o senso de contribuição. (p.36).


2.4 Fatores Intrapessoais e a Qualidade de vida no Trabalho

Cada pessoa tem uma história de vida, uma maneira de pensar a vida e assim também o trabalho é visto de sua forma especial. Há pessoas mais dispostas a ouvir, outras nem tanto, há pessoas que se interessam em aprender constantemente, outras não, enfim as pessoas tem objetivos diferenciados e nesta situação muitas vezes priorizam o que melhor lhes convém e às vezes estará em conflito com a própria empresa.

Como observado por Bom Sucesso (1997)
O auto conhecimento e o conhecimento do outro são componentes essenciais na compreensão de como a pessoa atua no trabalho, dificultando ou facilitando as relações. Dentre as dificuldades mais observadas, destacam-se: falta de objetivos pessoais, dificuldade em priorizar, dificuldade em ouvir. (p.38)


É bom lembrar também que o ser humano é individual, é único e que, portanto também reage de forma única e individual a situações semelhantes.

Como observado por Bom Sucesso (1997)
No cenário idealizado de pleno emprego, mesmo de ótimas condições financeiras, conforto e segurança, alguns trabalhadores ainda estarão tomados pelo sofrimento emocional. Outros, necessitados, cavando o alimento diário com esforço excessivo, ainda assim se declaram felizes, esperançosos.(p.176).


2.5. Responsabilidade Pela Qualidade de Vida no Ambiente de Trabalho

Normalmente procura-se passar a responsabilidade para a outra parte, porém é importante lembrar que somos produto do meio, mas também influímos no meio.

Como diz Bom Sucesso (1997)
Além de constituir responsabilidade da empresa, qualidade de vida é uma conquista pessoal. O auto conhecimento e a descoberta do papel de cada um nas organizações, da postura facilitadora, empreendedora, passiva ou ativa, transformadora ou conformista é responsabilidade de todos.(p.47)

2.6. Arranjo Físico e Ambiente de Trabalho

O objetivo de um arranjo funcional é garantir conforto, bem-estar, satisfação e segurança para os funcionários e garantir aos clientes melhores condições de visualizar os produtos, além de um ambiente saudável e agradável de ser visitado, ao espaço físico oferecer flexibilidade na disposição dos materiais e bom aproveitamento do espaço, à empresa propiciar aumento dos níveis de qualidade, produtividade e eliminação dos desperdícios.

Muito bem, isto é sabido e faz parte de muitas correntes de pensamentos da administração, porém com diz Moreira (2000)
Esses fatores em si não promovem a satisfação, mas a sua ausência a inibe. Por outro lado, fatores como oportunidade de auto-realização, reconhecimento pela qualidade e dedicação no trabalho, a atratividade do próprio trabalho em si e a possibilidade de desenvolvimento pessoal e profissional do trabalhador são motivadores em essência. Recebem o nome de fatores de motivação. (p.287).



2.7. Princípios dos 5S

Como se sabe os 5S são sinônimos de qualidade para o ambiente de trabalho e cabem aqui algumas observações como a realidade e percepção do ambiente que é observada de maneiras distintas por cada pessoa.

Segundo Silva (1995)
Os nossos sentidos e os nossos valores podem nos confundir.Quando isso ocorre deixamos de ver a bagunça, o desperdício, e todo tipo de comportamento que gera má qualidade de vida. É preciso prestar mais atenção para perceber a realidade.(p.2)

Os 5 sensos ou bom senso, que é mais adequado assim colocar, procura mostrar que com uma boa utilização dos materiais, uma boa ordenação, com uma limpeza constante, com saúde e higiene e acima de tudo com autodisciplina se alcança maior conforto e um melhor relacionamento no trabalho e conseqüentemente melhores resultados para a empresa.

Como observado por Silva (1995)
Pode-se criar um ambiente de qualidade em torno de si, usando as mãos para agir, a cabeça para pensar e o coração para sentir, por meio do sistema ou programa 5S. É só colocar em ação cinco sensos que estão dentro de cada um (p.4).

Os passos que se deve seguir são faxina geral, limpar o ambiente e os objetos, separar tudo o que se precisa com freqüência daquilo que se usa esporadicamente, fazer uma arrumação de forma a se facilitar a vida no trabalho, guardar cada coisa em seu lugar, manter os equipamentos em ordem e bom funcionamento, combater o desperdício, ordenar as informações, estar atento as condições de saúde e higiene e por fim uma auto disciplina e aperfeiçoamento constante do local de trabalho.

Como conclui Silva (1995)
Podemos iniciar a longa caminhada da melhoria continua praticando os cinco (bons) sensos que cada um tem dento de si: utilização,ordenação, limpeza, saúde e autodisciplina. A mudança deverá ocorrer dentro de cada um. Se não tomarmos a decisão pessoal de viver com dignidade,ninguém poderá nos ajudar. (p.18)

Referências Bibliográficas

BOM SUCESSO, Edina de Paula. Trabalho e qualidade de vida. 1.ed. Rio de Janeiro: Dunya, 1997.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. 6.ed. São Paulo: Campus, 2000.

MAGALHÃES, Celso. Técnica da chefia e do comando. 9.ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1990.

MOREIRA, Daniel Augusto. Administração da produção e operações. 5.ed. São Paulo: Pioneira, 2000.
SILVA, João Martins da. 5S para praticantes. 1.ed. Belo Horizonte: Fundação Christiano Ottoni, 1995.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2000.






Empresário, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista,  Palestrante, Facilitador, Instrutor e Professor. Pós-graduado em Administração Estratégica de Empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea;  e  Filosofia Antiga. Palestrante por paixão, Benito estuda e versa sobre diversos temas tais como Astronomia; Filosofia; Religião; Administração; e Marketing, Além de Assuntos da Atualidade. Dessa maneira suas  Palestras e Treinamentos de Equipes têm um Diferencial Especial. Visite o seu Site/blog >> www.benitopepe.com.br

O conteúdo veiculado nas colunas é de responsabilidade de seus autores.

Assinar feedEnviar por E-mailImprimirVoltar para a seção Opinião

Google
Leia outros Artigos deste autor, clique aqui! Clique aqui e escreva seu comentário!


Comentários do Planeta!

Comentários

Comentário de janice em 24/03/2008 às 20:23hs. (horário de Miami)

ambiente de trabalho e as relações interpessoais
Gostei do artigo,vejo a mim e aos meus colegas na empresa.
Como é dífícil e maravilhosa a convivência.
E viva as diferenças!

Comentário de Selma em 10/11/2008 às 12:01hs. (horário de Miami)

Elogio
Gostei do artigo e veio em ótima hora, pois vou fazer um TCC nessa área.

Comentário de Roberto Enoque S. Dantas em 23/12/2008 às 08:05hs. (horário de Miami)

Ambiente ou satisfação de trabalho
O ambiente está diretamente influenciando a satisfação no trabalho. Salas amplas, iluminadas, climatizadas, móveis bonitos, computadores modernos, geralmente estas pessoas transmitem mais satisfação que outras que trabalham em locais sem estes requisitos, assim tenho observado.

Comentário de Carlos Shiokawa em 11/03/2009 às 09:31hs. (horário de Miami)

Falta referências
Gostei do artigo, mas estou tentando argumentar em meu trabalho sobre assunto, coisa que não posso fazer me referindo a Chianenato, Magalhães ou Bom Sucesso, sem saber quem são.... uma pena.

Comentário de Sueli Torres de Oliveira em 02/09/2009 às 17:49hs. (horário de Miami)

Ambiente de Trabalho e as relações inter pessoais
Gostei muito do artigo. Faltou as referências dos autores.

Comentário de aparecida em 22/11/2010 às 14:41hs. (horário de Miami)

ambiente de trabalho
adorei a mensagem pois estava proucurando alguéma informação para sobre o assunto "Promove um ambiente permanentemente limpo e higienizado".
Como posso responder claramente quando o ambiente de trabalho tras desconforto, ou seja mal conservado.

Comentário de Angela Paes em 02/06/2011 às 14:54hs. (horário de Miami)

comentário sobre Motivação e relações interpessoais
Boa tarde. Alguns comentários sobre Motivação.

Precisamos compreender que a mecanicidade das necessidades básicas/vitais, como as fisiológicas, são de natureza bastante distintas de outras "necessidades", psicológicas e sociais - que são subjetivas ealtamente variáveis - relativas. Nem todos valorizam a segurança, a possibilidade de crescimento, as premiações, o status, o reconhecimento; autonomia, etc. Dessa forma, não há uma relação direta entre valores/motivos e motivação; enquanto podemos estabelecer diretamente uma relação entre necessidades orgâncias e motivação.
É por pensar dessa forma que muitos líderes acabam experimentando enormes frustrações ao "tentar motivar seu time".
A motivação é um estado que se liga irremediavelmente ao desempenho, a ação. E, do ponto de vista das Teorias Psicológicas, motivação é um comportamento autogovernado, independente, persistente e sempre dirigido a objetivos bem específicos. Portanto, muito diferente de quaisquer ações triviais e cotidianas. E mais, quando a ação é motivada ela independe da força dos programas de recompensas para acontecer. Já, nas ações não motivadas, isto é, condicionadas, elas só se manterão enquanto existirem os esquemas de incentivos. Essa é a distinção básica entre motivação e condicionamento - ou movimento, como queiram!

Outro ponto importante: A motivação não se generaliza por todos os aspectos do comportamento - ela é sempre dirigida a propósitos bem determinados. Assim, não é possível perguntas, como: "afinal, ele está ou não motivado?", ou mesmo afirmações: "é preciso motivar; ter objetivos e força de vontade".
Para que a motivação traga aumentos substancias nos resultados temos que estar motivados a muitos fatores, dentre eles não esquecendo das atividades mais essenciais ao rendimento.
É possível encontrar-se motivado para tantos empreendimentos e são tantos os motivos que podem nos levar a motivação que.....
Digo e repito: há incontáveis cidadãos que, na sociedade capitalista de consumo, se apresentam fortemente motivados para consumo de bens materiais, status, sucesso, dinheiro, etc.... Essa corrida é um fato concreto e não podemos negar!
É comum e normal, afinal sofremos diariamente enorme influência dos estímulos do meio externo e, o indivíduo, uma vez motivado, não se torna imune/infenso a esses vetores.
Bem, entramos num campo minado que pode ser em breve discutido: sobre a questão da motivação intrínseca e extrínseca.
Só adianto dizendo: como é possível o uso do termo "motivação extrínseca" para o que não é considerado como a "verdadeira" motivação???
Para aqueles autores que afirmam que a "verdadeira motivação deflagra por forças internas, eu pergunto: "o que realmente isso significa?"; "como explicar isso?; qual é a natureza dessa força?"
Não estaríamos todos nós, equivocados????
Outro ponto instigante: presencio o esforço de muitos gestores para descobrir as orientações motivacionais de seus times, isto é, a preocupação em conhecer os objetivos/expectativas/anseios de seus colaboradores na estratégia de prover condições de satisfação desses desejos ou necessidades - como queiram!
Eu pergunto: em que medida posso asseverar que uma vez satisfeita as inclinações naturais elas se reverterão em desempenhos que favoreçam a produtividade?
Obrigado,
Angela Paes!





Comentário de Angela Paes em 16/06/2011 às 14:35hs. (horário de Miami)

comentário: ambiente de trabalho e Relaçõs interpessoais
Comentários do artigo: "Ambiente de trabalho e as Relações interpessoais". Vamos lá:

A motivação não é um subproduto típico e especial da produtividade, mas um fenômeno comportamental, portanto, pertencente a àrea da psicologia.
Segundo as teorias psicológicas mais consagradas, motivação é um comportamento autogovernado, persistente e sempre voltado a objetivos bem específicos. E mais, a motivação encontra-se irremediavelmente vinculada a ação.
Valores, motivos são apenas norteadores, balizadores das condutas, e nem sempre despertam comportamentos persistentes. Dessa forma, não há uma relação direta entre motivos e motivação. A questão é outra!
Outro ponto que merece análise: necessidades fisiológicas têm uma natureza diferente e não se deflagram do mesmo modo que operam os motivos, desejos, e vontades, que são instâncias nitidamente de ordem social. Um exemplo clássico: não se pode descrever e equipar o comportamento irrecorrível de um indivíduo que está com fome, sede com pessoas que se movem por motivos sociais (sejam eles quais forem!).
Já, ambiente de trabalho, não é o único fator que responde pelo aumento da produtividade, aqui, outras variáveis entram em ação: a prática de habilidades especializadas; a utilização do conhecimento nas aplicações ; a motivação quando voltada para as atividades essenciais à produtividade, etc.
Obrigada,
Angela Paes!

Comentário de Benito Pepe em 14/07/2011 às 20:25hs. (horário de Miami)

Resposta para Angela Paes
Olá Ângela Paes, obrigado por teu comentário e por teus questionamentos.
Vou me atender apenas a um aspecto, pois seu comentário é muito amplo e já se auto-responde em muitos pontos.
Bem, só quero diferenciar a palavra “Motivação” de outras, que possa parecer sinônimo para muita gente, mas não é a mesma coisa: Alegria, entusiasmo, e outras no mesmo sentido. Quando falamos de motivação em termos de empresa ou administração ou, ainda em recursos humanos etc. temos que lembrar que pessoas não são máquinas e, portanto não são “produzidas” em escala e muito menos são idênticas uma das outras, dessa maneira cada um reage de uma forma para a mesma ação administrativa. Assim em termos gerais, salvo as exceções às regras, o “Motivo para a Ação” – Motivação – vai depender da real necessidade, vontade e desejo de cada pessoa particularmente.
Quando temos um sonho, um desejo e queremos realmente alcançá-lo, nos motivamos para fazê-lo. A alegria é o que vem depois da conquista, mas para conseguirmos a conquista precisamos, muitas vezes de muita motivação, muito trabalho e dedicação.
O tema é de fato muito mais complexo que possa parecer em princípio, mas no meu texto eu só pretendo apresentar uma base do assunto e lembrar que tanto o ambiente físico como o social podem nos motivar sim, e que da mesma maneira que estes ambientes (o social e o físico) nos influenciam para a ação, nós influímos nestes ambientes...

Abraços do Benito Pepe



Busca rápida:

Assine nosso Boletim!





Anuncie no Planeta!!




Assista a uma aula gratuita em vídeo!






Vídeo em destaque:








Planeta News!

O portal da comunidade brasileira no exterior!

Planeta News

   
© Copyright 1998-2014, Pepe Software Ltda. All rights reserved.
Anuncie | Agenda | Fale conosco | Aviso Legal | Política de Privacidade | Acrescente o Planetanews à sua lista de busca!

Livros no Submarino pelo menor preço | Muitos produtos em promoção no Wal-Mart

Parceiros do Planeta News: